Curtir no Facebook

facebook

sábado, 26 de julho de 2008

Alma


Algumas vezes eu ouvi a expressão “isso tem a alma do ‘Berelando...’”. Geralmente, queria dizer que tinha a alegria, a simplicidade e outras coisas que lembrava o periódico. Mas por que “alma”? Por que essa palavra?

Pesquisando a origem da palavra, descobri que é proveniente do latin, da palavra anǐma, que se refere ao princípio de dar movimento ou o que faz mover, desta palavra também vem “animador”, aquele de desenhos animados mesmo.

Se pensarmos num sentido filosófico ou religioso, podemos dizer que a alma é algo independente da matéria e que sobrevive à morte do corpo.

É bom pensar assim. O “Berelando...” não circula mais, porém sua mensagem, sua lembrança continua. Sua alma sobrevive. E vou sempre me lembrar que eu sou parte desta alma, ajudei a dar movimento (vida) a essa idéia.

26 de julho de 2008.

sábado, 19 de julho de 2008

Palavras


Acredito no poder das palavras. O “Berelando...” foi o laboratório que me deu a justificativa para afirmar isso.

Nas edições em que participei, tomava extremo cuidado em escolher as palavras, pois, do mesmo modo que ela cria heróis, trazem felicidade, demonstram amor, também podem destruir pessoas, atormentar almas, gerar ódio.

Dizem que através da palavra é que nos diferenciamos dos animais, mas, aprendi também que, por elas podemos nos transformar em monstros demoníacos.

Descobri que as palavras mais importantes são as menores: “sim”, “não”, “amor”, “Deus”... Elas são capazes de preencher espaços gigantescos. Dentre estas, “sim” e “não” são as que exigem mais cuidado ao se dizer. Não devemos dizer “sim” se o nosso coração diz “não” e vice-versa.

"Palavras gentis podem ser curtas e fáceis de falar, mas os seus ecos são efetivamente infinitos”. - Madre Tereza de Calcutá

"Quem não vê bem uma palavra, não pode ver bem uma alma”. - Fernando Pessoa


19 de Julho de 2008.

sábado, 12 de julho de 2008

Insanidade


Ontem recebi um link para o blog de uma amiga (http://rosasepalavras.blogspot.com/2008/07/insanidades.html), uma divertida crônica que falava da loucura.

Às vezes, eu me ponho a pensar: "- Esta vida parece loucura!". A vida é um mistério, se encontraremos a resposta para ele, sinceramente, eu não sei. Talvez, alguns encontrem.

Na época do "Berelando...", com certeza alguns me achavam, no mínimo, insano! Desperdiçar tempo e dinheiro com algo tão banal e que, talvez, ninguém nem prestasse atenção. Talvez, eu continue louco, afinal estou escrevendo este blog e não sei o que ele me trará.

É, essa vida é uma loucura! Vivendo o milagre do dia-a-dia, percebo que nem sempre somos capazes de prever as conseqüências de nossos atos. Às vezes fazemos coisas sem saber o por quê, talvez salvamos sem saber que estamos salvando, sofremos sem saber porque estamos tristes.

Sim, esta vida é uma loucura, mas, sábios são os que tomam consciência disso.

12 de julho de 2008.

sábado, 5 de julho de 2008

Tristeza


Como todo mundo eu tenho meus altos e baixos. Em alguns dias estou bem e todo mundo percebe isso, parece que irradiamos felicidade e contagiamos quem estiver por perto, em outros nem tanto. Não sei dizer o por quê dessas oscilações de humor. Algumas vezes até sei. Algo que deu errado em nossa vida, um relacionamento que se rompeu ou um que não aconteceu, uma decepção.

Na época do “Berelando...”, em meus dias ruins, achava que não conseguiria escrevê-lo. “Como vou transmitir algo bom se me sinto triste?”, pensava. Entretanto, por incrível que pareça, quando eu me sentava em frente ao micro, olhava minhas notas, pensava nas manchetes, na preparação do lead, aos poucos meu humor ia melhorando, e se, durante esse processo, eu percebesse que o informativo levaria algo de bom para alguém, eu pulava de uma noite de inverno para um dia ensolarado de primavera.

Foi mais uma lição que aprendi. Quando estou triste, tenho noção de como esse sentimento é ruim e não quero que ninguém se sinta assim, então, tento fazer coisas que alegrem as pessoas ao meu redor, que seja um rosto desconhecido na multidão, pois, alegria é contagiante e, aos poucos, vou saindo da escuridão para o dia ensolarado.

Ao iluminar o caminho de outra pessoa, a luz de tua lanterna iluminará o teu próprio caminho”. Nichiren Daishonin.

05 de julho de 2008.