Curtir no Facebook

facebook

sábado, 24 de maio de 2008

Dores


Nem tudo eram flores no “Berelando...”. Por duas vezes anunciamos a perda de amigos. Perdas trágicas e que nos trouxeram a pior das dores, a que não é física, mas, a dor que vem da alma.

Em alguns momentos de nossa vida passamos por isto. Sofremos por perder alguém, por se sentir sozinho, por se sentir incompreendido, por estar longe dos que amamos, por achar que o tempo está passando e não nos acertamos na vida, por sentir medo (veja o blog do meu amigo Rubens: http://tudo1pouco.zip.net/ - “eu sinto medo”). Acho que não podemos evitar este momento, entretanto, devemos ter consciência que estas dores que sentimos é a prova de que estamos vivos e, por estarmos vivos, temos que superá-las ou lutar por isso. A vida é assim, às vezes estamos bem outras não. O que não podemos sentir é a indiferença: não sentir nem dores, nem alegrias só a indiferença, talvez, isso seja o fim.

Todos nós temos uma missão nesta vida e, com certeza, não nascemos para sofrer.

24 de maio de 2008.

4 comentários:

Anônimo disse...

É bem conhecido, mas este trecho traduz de forma simples e clara alguns desses momentos pelos quais passamos:
"Para os erros há perdão, para os fracassos; chance, para os amores impossíveis, tempo... Não deixe que a saudade sufoque, que a rotina acomode, que o medo impeça de tentar. Desconfie do destino e acredite em você. Gaste mais horas realizando que sonhando. Fazendo que planejando. Vivendo que esperando..."

Neto,
um grande abraço e muita luz e força em todos os caminhos e escolhas!
Diana.

Anônimo disse...

"O destino une e separa pessoas. Mas nenhuma força é tão grande para fazer esquecer pessoas, que por algum motivo um dia nos fizeram feliz !!!"



“Se conquistarmos os dias de nossa vida ... um a um ... com calma e paciência ... Quando somarmos ao final nossas conquistas.. Teremos como resultado uma vida vitoriosa ...”



“Uma grama de exemplos valerá mais que uma tonelada de conselhos.”



"O único prêmio da virtude é a virtude; a única maneira de ter um amigo é sê-lo."



“Quando encontrares uma pedra em seu caminho, não chute, faça dela um degrau e suba na vida!”



"As coisas que realizamos, nunca são tão belas quanto às que sonhamos. Mas às vezes, nos acontecem coisas tão belas, que nunca pensamos em sonhá-las."



" Viva de maneira que sua presença não seja notada, mas que sua ausência seja sentida."



" O tempo é lento demais para quem espera, rápido demais para quem teme, longo para quem sofre, curto para quem desfruta. Mas, para quem ama, o tempo é a eternidade



" Sempre que abrir a boca, suas palavras devem valer mais do que seu silêncio."



“Saber recomeçar na vida é tão importante quanto saber viver..”



"Só percebemos do valor dos nossos amigos no momento em que surge a ameaça de perde-los"

neto, parabéns mais uma vez

Adna

Valdecir disse...

Acho que já me sinto como um velho conhecido neste lugar.
E é interessante discutir os temas, extrapolando a proposta inicial, que seria a volta do Berelando.
É também muito interessante o tema que se propõe desssa semana, falar das dores, das perdas. Principalmente das perdas. Assisti a um filme de comédia que certa vez, um sujeito entrou em crise, porque ele de repente reconheceu que estava vivo porque num dado momento, foi mais rápido que todos os demais espermatozóides na hora de fecundar o óvulo. E disso, segundo ele, resultou numa responsabilidade enorme. Ele poderia ter impedido que o descobridor da cura do câncer, por exemplo, tivesse nascido. Estranho pensar por este lado, era divertido no filme, mas é igualmente perturbador pensar que qualque decisão que tomemos, implica imediatamente numa ação em sentido contrário. E que pode ocasionar perdas muito maiores. Em dado momento em nossas vidas, os fatos e acontecimentos entram pela porta da frente em nossas vidas, nos desarmam, nos derrubam, nos oprimem de tal forma que é muitodifícil encontrar a forma de superar os problemas, levantar a cabeça. Quem está no meio de um redemoinho desses não está lá simplesmente porque escolheu. Está lá porque ainda não encontrou a saída, a luz no final do túnel. E os problemas, verdade seja dita, é sempre mais simples para quem não o está vivendo. Perder um familiar é muito triste, e os amigos até acham que sentem a mesma dor da perda, mas a sua exata extensão somente aquele que está no olho do furacão é capaz de quantificar. Ou não, às vezes nem essa pessoa é capaz de dizer a profundidade do que está sentindo. Quando, num dado momento, estiver de novo fora do problema, estando ele resolvido ou não, a pessoa olhar, talvez ela mesma se dê conta de que as coisas não eram exatamente assim o fim do mundo. Mas enquanto estiverem alí, no seu interior, as coisas são bem diferentes. Conheço pessoas bem resolvidas, tranquilas e muito inteligentes que caem inúmeras vezes nos mesmos erros, porque continuam confiando na mesma pessoa que não se cansa de a trair. É difícil para ela, mesmo entendendo perfeitamente o que está acontecendo, encontrar o meio de se livrar desse redemoinho.

Um abraço, e até outro dia....

Rubens Alves Júnior disse...

Neto,

Obrigado pela referência ao blog "tudo 1 pouco". E também refleti muito sobre o seu texto... e na verdade tem um pouco a ver com meu próximo texto que falará de um sentimento que muitas vezes vem da dor e do medo: a decepção!